O Mestre de Cerimônia

 

PDG ANTONIO DOMINGOS ANDRIANI

 

Volto a um assunto relacionado com o protocolo leonístico e, dentro das minhas limitações, vou procurar abordar um aspecto que é de relevante importância para seu correto desenvolvimento.

O Mestre de Cerimônia é peça importante para o sucesso de uma assembleia leonística, principalmente nas festivas. Cabe a ele uma parte da direção dos trabalhos. Mal comparado a um árbitro de futebol, com boa atuação ele leva sua missão a bom termo e não se sobrepõe a ninguém.

Só que não pode inventar! Ele deve receber o roteiro dos trabalhos que foi preparado pelos Presidente e Diretor Social e limitar-se a ele.

Numa assembleia festiva de visita do casal Governador, por exemplo, ele é nomeado pelo Presidente, vai à mesa dirigente e recebe o colar alusivo, agradece a indicação, solicita a presença do Diretor Social, atua no convite a quem vai fazer a saudação em nome do Clube, indica a hora do companheirismo (quando houver), convida para a troca de presentes e pronto. Agradece sua escolha, devolve o colar e termina suas funções.

Existem determinados Companheiros que, no desempenho da missão, desconhecem seus limites, pisam nas boas normas do cerimonial de uma reunião e, dessa forma, jogam fora uma boa oportunidade de fazer leonísmo pelo caminho do equilíbrio, da sobriedade e da competência.

O Mestre de Cerimônia não é o centro da reunião, mas apenas um elemento que se soma aos demais para que a assembleia atinja a magnitude dos seus objetivos.

Em alguns Clubes, e já presenciei isso em inúmeras ocasiões, a atuação do Mestre de Cerimônia chega a ser lamentável, e tudo isso por culpa do Presidente e do Diretor Social, que não discutem e planejam com o mesmo, antecipadamente, o roteiro do seu trabalho.

Tem Companheiro que, no desempenho das funções de Mestre de Cerimônia, não se restringe a agradecer e dar início ao roteiro. Existe aquele que pega o microfone no início da solenidade e somente larga no fim, cometendo, inclusive, o sacrilégio de anunciar e conceder a palavra a dirigentes, quando isso é prerrogativa exclusiva do Presidente.   Tem também aquele que gosta de imitar apresentador de telejornal, comentando toda notícia que divulga.   Há outro que gosta de fazer introduções sobre as qualidades pessoais de Companheiros, quando não de suas próprias, relatando que fizerem isso ou aquilo.
Existe também aquele que, antes de devolver o colar, faz uma longa peroração, cheia de citações e salamaleques, para agradecer penhoradamente o privilégio de ter sido nomeado para as funções. Sinceramente, não há... tempo que não estoure.

O Mestre de Cerimônia consciente das suas funções sabe que é peça importante de uma assembleia, mas que é tão somente o executor de um ritual leonístico.

Espero poder continuar insistindo na abordagem de alguns aspectos do protocolo leonístico, que vem sendo sistematicamente maculado em alguns Clubes.

Adicionar comentário

Cuidado com os termos para não ser banido.


Código de segurança
Atualizar

XIX Convenção LC-6 

28 e 29 de Abril 2018 XIX Convenção da União "A Força do NÓS" Franca-SP
1
1

Usuários Online 

Temos 55 visitantes e Nenhum membro online

Login 

Bem Vindo ao Distrito LC-6!

Distrito LC-6

Visitantes

1283090
Hoje
Ontem
Esta Semana
Última Semana
Este Mês
Último Mês
Total
2004
2275
11798
1180169
68238
79317
1283090

Seu IP: 54.198.134.104
26-04-2018 15:59

Curtir No FaceBook 

Scroll to top